Confiança do empresário industrial catarinense se mantém estável em julho

Pelo segundo mês consecutivo, o ICEI apresentou uma melhora na avaliação das Condições Atuais da economia

Por Redação 21/07/2022 - 20:48 hs
Foto: Imagem da Internet
Confiança do empresário industrial catarinense se mantém estável em julho
Ilustração

A confiança do empresário industrial catarinense se manteve estável em julho, após atingir o maior patamar deste ano, de 57,3 pontos. O resultado do Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) indica otimismo no cenário estadual e nacional, já que permanece acima do limiar de 50 pontos, divulgou nesta quinta-feira (21) o Observatório FIESC. No Brasil, o indicador também ficou estável na passagem de junho para julho.

Pelo segundo mês consecutivo, o ICEI apresentou uma melhora na avaliação das Condições Atuais da economia. O número indica que os empresários industriais catarinenses estão mais confiantes com a conjuntura do que estavam em relação aos seis meses anteriores.


“Acompanhamos permanentemente os principais indicadores da economia catarinense, brasileira e mundial. Estamos cientes dos desafios, mas também confiantes do potencial da indústria para alavancar o desenvolvimento de Santa Catarina este ano”, avalia o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar. Ele lembra que a confiança do empresário é muito importante para a definição de investimentos e, por consequência, para a geração de novos postos de trabalho na indústria e também nos demais setores da economia, já que o segmento impulsiona também as atividades dos demais elos da cadeia produtiva.

Em relação às expectativas para os próximos seis meses, as percepções também continuam otimistas em Santa Catarina e no Brasil. De acordo com análise da economista do Observatório FIESC, Mariana Correia Guedes, medidas recentes anunciadas pelo governo para arrefecimento da inflação no país influenciaram a percepção dos empresários industriais e proporcionam um ambiente doméstico de maior confiança no curto prazo. Entre eles, está a limitação da cobrança estadual do ICMS sobre os combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo até o final de 2022.