FLORESTAS: IMPORTÂNCIA AMBIENTAL, ECONÔMICA E SOCIAL!

Patrique Savi; Dr. Jairo Marchesan; Drª Aline Viancelli; Dr. William Michelon

FLORESTAS: IMPORTÂNCIA AMBIENTAL, ECONÔMICA E SOCIAL!
Floresta - Arquivo

                O Brasil é um país privilegiado no que tange a biodiversidade de plantas e animais distribuídos em seus biomas. Essa diversidade está intimamente associada aos ambientes das florestas. Por isso, a importância de mantê-las em pé! Afinal, muitas espécies que compõem a fauna, necessitam das florestas para a sua sobrevivência, portanto, há intensa interação e dependência entre a fauna e a flora. As florestas estão associadas a diversos fenômenos da natureza, os quais influenciam diretamente em nossas vidas. Um destes fenômenos é a contribuição na formação dos denominados "rios voadores". Esse fenômeno ocorre quando as plantas absorvem a água do solo, utilizam a fração necessária para seu metabolismo, e, posteriormente, liberam água em forma de vapor, por meio dos estômatos, pequenas aberturas existentes na epiderme das folhas. Esses estômatos regulam a liberação de água da planta. É um processo análogo ao suor produzido pelo corpo humano, mas nas plantas é denominado evapotranspiração. 

                A evapotranspiração auxilia na formação das nuvens de chuva. No caso da floresta Amazônica, pelo fato de possuir grande número de árvores, o processo de evapotranspiração ocorre de forma contínua e intensa, reabastecendo a atmosfera com vapor d'água. Estudos realizados pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) indicam que uma árvore com a copa de aproximadamente 20 metros de diâmetro, pode colocar mais de 1000 litros de água na atmosfera em um único dia. Assim, a floresta Amazônica contribui significativamente na formação de nuvens de chuva, que, posteriormente se espalham por diversas regiões, podendo chegar até mesmo a outros países, como a Argentina.  

                Desta forma, podemos dizer que no Brasil, os Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul são abastecidos, também, com água proveniente da floresta Amazônica. Assim, destaca-se a importância da floresta Amazônica para a manutenção de muitas formas de vida, mas, também, para a sociedade humana de outras regiões que são beneficiadas pela floresta para a produção de vegetais com valor comercial, tais como as plantações agrícolas de milho, soja, trigo, dentre outras. Essas culturas necessitam de chuvas em frequência e volume adequados para que o crescimento das plantas seja uniforme e que as mesmas atinjam seus melhores percentuais de produtividade. Ou seja, as chuvas de outras regiões também são provenientes da região Amazônica. Ou, dito de outra forma, outras regiões do Brasil dependem das chuvas provenientes da Amazônia.

                Além disso, destaca-se a função social e ecológica das florestas, as quais, pela diversidade e quantidade têm potencial de fornecimento de matéria-prima como madeira, frutos, sementes e outras, além dos subprodutos das plantas, os quais são coletados e transformados de forma sustentável por comunidades locais. O manejo adequado da floresta promove a sobrevivência, geração de trabalho, renda, inclusão social e qualidade de vida das pessoas envolvidas no processo. 

                No entanto, o crescente desmatamento no Brasil está afetando negativamente esse ciclo da produção e distribuição de água, e, consequentemente, todas as outras atividades associadas à floresta. Consenso entre os cientistas é que a destruição de florestas ocasionará alterações do clima, afetando negativamente as atividades econômicas de diversas regiões do país, dentre elas a agropecuária, produção de alimentos, abastecimento de água para a produção de energia e cidades e, consequentemente, impactando na qualidade de vida das pessoas. 

                Diante disso, destaca-se a necessidade urgente de políticas públicas e privadas de proteção das florestas, afinal, as mesmas prestam ou oferecem gratuitamente diversos produtos e serviços ambientais fundamentais para todas as formas de vida. Portanto, devemos apoiar ações de combate ao desmatamento e, acima de tudo, onde possível, plantar árvores. Sim! Plantar árvores é uma atitude pedagógica, urgente, necessária e civilizatória. O que não podemos é ficar na inação e vermos as florestas sendo devastadas e comprometendo a qualidade de vida das pessoas e dos demais seres vivos. Todos, sempre dependemos direta ou indiretamente das florestas. Viva as árvores! Viva as florestas! Por isso, desafie-se e comece a plantar árvores!


Patrique Savi - Engenheiro Ambiental e Sanitarista - Egresso da Universidade do Contestado (UnC). E-mail: patrique_savi@hotmail.com.br.

Dr. Jairo Marchesan - Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional e do Programa de Mestrado Profissional em Engenharia Civil, Sanitária e Ambiental da Universidade do Contestado (UnC). 

E-mail: jairo@unc.br.

Drª Aline Viancelli - Coordenadora e Docente do Programa de Mestrado Profissional em Engenharia Civil, Sanitária e Ambiental da Universidade do Contestado (UnC).

Dr. William Michelon - Docente do Programa de Mestrado Profissional em Engenharia Civil, Sanitária e Ambiental da Universidade do Contestado (UnC).