Terceirizar para atender

Publicada originalmente nos Jornais Ótimo e Diário do Planalto

Por Paulo Ricardo Ferreira 08/05/2017 - 21:01 hs
Terceirizar para atender
Prefeito Luiz Shimoguiri comenta as ações em reunião com vereadores.

Terceirizar para atender

                O presidente da República, Michel Temer, sancionou parcialmente no final do mês de março a Lei da Terceirização. Com essa regulamentação, as empresas poderão contratar trabalhadores terceirizados para exercerem cargos na atividade fim. Essa medida dá mais dinamismo e eficiência às empresas. Há muita polêmica em torno dessa medida. De um lado, há quem defenda que a regulamentação trará ganhos de produtividade e segurança jurídica para as empresas. Outros argumentam que a medida aumenta a precarização no mercado de trabalho. Porém, fica evidente que é um avanço na modalidade de contratação de trabalho no Brasil. A terceirização, inclusive, pode influenciar diretamente no dia a dia, também, da gestão pública. Vou citar aqui o caso de Três Barras. Com uma folha de pagamentos extremamente pesada e onerosa o município está de mãos atadas no que se refere à contratação de novos profissionais. Com isso a atual gestão não pode contratar mais pessoal porque incorreria em Crime de Responsabilidade Fiscal por gastar mais de 54% do total arrecadado com folhas de pagamento. Como resolver então a equação, quando ainda há necessidade de mais pessoas para trabalhar nas funções básicas do município? O caminho está claro. Terceirizar. O prefeito Luiz Shimoguiri, inclusive, já entendeu que pode se utilizar desse dispositivo legal. Atualmente uma equipe da prefeitura trabalha para estudar quais áreas ou serviços poderiam ser terceirizados e assim garantir o atendimento a população. A questão foi levantada em uma reunião com vereadores realizada na última sexta-feira, 28. Apesar de muitas pessoas serem receosas a esta modalidade, entregar alguns serviços a empresários experientes na prestação do mesmo, pode sim, ser extremamente vantajoso. Em sua defesa aos vereadores, Shimoguiri chegou a argumentar que a “população não está preocupada com quem presta o serviço, desde que seja bem atendida”, justificando a estratégia que se encaminha. Ele tem razão, se o serviço for bem prestado irá agradar ao munícipe. Escrevo isso, porque é importante que não julguemos uma lei pela “balela” política que algumas lideranças – irresponsáveis – saem bradando por aí. No próprio setor privado, pode-se afirmar com certeza, que se não fossem as terceirizadas a expansão da WestRock (antiga Rigesa) jamais teria sido concluída no tempo em que foi feita. A terceirização é boa sim. O que a sociedade, os vereadores, os deputados e os empresários têm de ficar de olho é se os contratos a serem estabelecidos beneficiam o contratante e, no caso dos municípios, se possuem dispositivos para que uma cobrança efetiva possa ser feita de quem presta o serviço. Terceirizar é legal, é bom, gera economia com pessoal, mas não se pode esquecer que o beneficiário deve ser quem paga pelo serviço, na vida pública, o cidadão.

A Culpa Não é Minha

A Câmara de Vereadores de Canoinhas recebeu um ofício do Deputado Antônio Aguiar referente a – não – reabertura do HEMOSC - Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina – em Canoinhas. No documento, cita-se que o HEMOSC não reabriu por problemas da Gerência Regional de Saúde e a Secretaria responsável em Florianópolis. Ou seja, se tá tudo certo, o deputado tira foto, diz que salvou a pátria e colhe os frutos, se algo não acontece ou dá errado, nem vem que a culpa não é dele. Nem minha.

Por isso

Os vereadores de Canoinhas elaboraram requerimento cobrando explicações do Secretário Regional, Aloísio Salvatti, do Gerente de Saúde da ADR Canoinhas e também para o Secretário de Saúde do Estado de Santa Catarina, Vicente Caropreso.

Coronel Mário

O vereador realizou indicações pedindo melhorias na iluminação pública de Marcílio Dias. Com certeza uma boa pedida. Inclusive, fica a dica, a rodovia que liga o Centro a unidade da UNC Marcílio Dias precisa ser melhor sinalizada. Pintura, placas de trânsito e instrumentos catadióptricos fixados ao chão – popularmente conhecidos como olhos de gato - também são necessários. Vão dar mais segurança a pedestres e motoristas que trafegam no local.

Mauro Mariani

O deputado destinou R$ 250 mil para serem aplicados em exames e cirurgias eletivas represadas. Entre os exames radiológicos estão ultrassonografias, ressonâncias magnéticas e tomografias.

Telma Bley

A vereadora denunciou na sessão da última terça-feira, 02, que a médica pediatra que estava no sobreaviso demorou muito tempo para responder a um chamado. De acordo com a vereadora, uma criança deu entrada no serviço público em estado grave no domingo, 30. A médica, segundo ela, foi acionada às 11 horas da manhã, mas a pediatra só compareceu ao escurecer. Questionou então a fiscalização do sobreaviso. Segundo ela, o tempo de resposta seria de 15 minutos. A câmara elaborou requerimento para apurar o caso com a Secretaria de Saúde.

Pra encerrar

 

Amanhã começam as atividades itinerantes do poder executivo de Canoinhas. Proposto pelo prefeito Beto Passos a ideia é levar o gabinete para as comunidades e aproximar a prefeitura dos cidadãos. Passos, quando presidente da câmara, já havia implementado o modelo nas sessões, agora, leva toda a estrutura da prefeitura e vai oferecer vários serviços na área da saúde, lazer e orientação. Ele defende o projeto dizendo que lá, nas comunidades, poderá ouvir melhor as demandas. A primeira região a receber a caravana é a localidade de Anta Gorda. Até a próxima semana. Forte Abraço.