Reforma Política

Publicada originalmente nos Jornais Ótimo e Diário do Planalto

Por Paulo Ricardo Ferreira 20/03/2017 - 07:04 hs
Reforma Política
Congresso nacional em Brasília - DF

Pode parecer piada, mas não é. Após a divulgação da Lista de Janot na operação Lava-Jato que aponta quase todos os grandes nomes da política brasileira envolvidos nos escândalos de corrupção, a Câmara dos Deputado iniciou um movimento de defesa durante esta semana. Agora, nossos nobres parlamentares resolveram prosseguir com a reforma política. E pasmem, não tem nada a ver com melhorar o sistema. Eu explico. Correntes reformistas, formadas por deputados do PT, PP, PMDB e PSDB, querem agora que o financiamento de campanha seja público (em outubro de 2016 só o PT queria) e para viabilizar o projeto começaram a defender o voto em lista. Nessa modalidade os eleitores votariam nos partidos e não mais nos deputados, e assim, cada presidente de partido decidiria quem seriam os representantes parlamentares de cada estado. Ou seja, cada coronel estadual estabelecerá quem é o representante da população, mesmo sem ela ter dado voto direto a isso. A ideia vem em roupa de carneiro, mas esconde um lobo bem mau. Com quase 50% de seus principais candidatos envolvidos na lama da corrupção, essa se tornaria uma ferramenta para garantir a permanência destes nomes no congresso e assim garantir o “foro privilegiado” a estes parlamentares. Pense comigo, se você votar em listas, onde o partido disponibiliza os nomes disponíveis para concorrer aos cargos parlamentares, seria possível, por exemplo, colocar Lulas, Aécios, Pizzolatis, Cunhas e Renans, escondidos entre outros nomes, para que o eleitor desse o voto de confiança aos partidos que ambos representam. Após a eleição, então, o presidente de cada partido, poderia tranquilamente dirigi-los a câmara e ao senado e assim, manter a farra de Brasília sem nenhum problema. Análises a parte, em 2016, quando somente o PT era alvo da Lava Jato e capitalizava o déficit da corrupção em sua sigla, passou a defender este esquema de votação porque assim poderia manter seus principais políticos no poder, independente da acusação que recaísse sobre cada um deles. Na época PMDB, PP e PSDB eram contrários a proposta e ferrenhos defensores do financiamento privado. Só que as coisas mudaram de patamar. Com a Lava Jato nomeando bois da cara preta em todos os partidos, as bases parlamentares mudaram de opinião rapidinho. Agora as 4 siglas estão do mesmo lado e querem (fazer o eleitor de trouxa) defender a tal reforma que beneficiaria corruptos por todo o Brasil. Infelizmente a gente vai comer com farinha e a chance da pauta ser discutida e aprovada no congresso é gigantesca. Em meio a tantos assuntos polêmicos, fica difícil dar atenção para este caso. Apesar da péssima qualidade dos nossos parlamentares (há quem diga que é o pior parlamento desde a redemocratização) estes estão assumindo um caráter reformista, o qual, já provaram inúmeras vezes não ter competência e moral para fazer. Infelizmente o Brasil popularizou a piada pronta na política, porém, somos o único circo do mundo onde o Palhaço está na arquibancada e não no picadeiro.

E Não Para

A reforma da previdência continua a ser discutida e deve ser aprovada. 65 anos de idade mínima. Imagina se você trabalhasse na roça ou na construção de asfalto. Com 65 anos ainda dá pra render? É mais do que lógico que os “patrões” trocarão os idosos por mão de obra mais jovem, mais disposta. E daí, como o cara sexagenário vai conseguir completar a contribuição para garantir o benefício?

De Paulo Maluf

“Não só não estou na Lava Jato e na lista do Janot, como não estou no mensalão”, ironizou os colegas numa rede social.

De Camila Lima

A vereadora de Canoinhas disparou: “Honestidade não é uma qualidade. É sua obrigação”!

Boatos

Norma Pereira, vereadora de Canoinhas pelo PSDB, estaria pensando em colocar o nome a disposição do partido para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados em Brasília em 2018.

Boatos 2

Ela faria dobradinha com o possível nome do PMDB, Leoberto Weinert, que concorreria a Assembleia Legislativa Catarinense.

É a saída

Se Mauro Mariani (PMDB) realmente concorrer ao Governo do Estado, ficaria difícil para o PMDB daqui se aliar a outro deputado federal, até mesmo porque Mariani tem enorme aceitação na cidade.

Capitalização

Antonio Aguiar, Beto Passos e afins tentam capitalizar para si a possível reabertura do HEMOSC em Canoinhas. Políticos, coisa feia. Quem fez pressão foi a ADOSAREC, a imprensa local e as câmaras de vereadores. Vocês assistiram tudo de camarote e agora tentam levar o bônus pela decisão. Ir cobrar do governador era o mínimo que poderiam ter feito (aliás, vivem dizendo que são aliados e até futebol jogam juntos). O problema é que, na minha humilde opinião, demoraram demais.

Reclamações

Muitos moradores de bairros de Canoinhas têm reclamado das filas nos postos de saúde, um vereador chegou a solicitar estrutura para que os pacientes possam esperar com mais conforto. A pauta veio, inclusive, de um vereador governista. Pergunto-me se esqueceram do discurso da campanha de 2016 já?

Pra Encerrar

 

Mudança no Rádio de Canoinhas. Paulo Ricardo Ferreira é o novo diretor da UnC FM. Foi nomeado pelo presidente da Fundação Universidade do Contestado, Ismael Carvalho. Forte abraço e até a próxima semana.